Categories
Autism

The Anti-vax family business

A recent YouGov survey found that one in six UK respondents indicated that they “definitely” or “probably would not” get vaccinated if a coronavirus vaccine became available. That is not new.

Anti-vaccination groups got louder in the last few years and gain traction as an advocacy group. However, once you dive in the reality of the researchers that support their believes, things get murky.

In the 1980s, Autism was diagnosed in 1 case in every 10.000 births, but in 2003 it was 1 in 166. Some label this as an epidemic. Some of them, believe vaccines did it. Investigating their concerns and believes, me, an autistic person, decided to fall into that rabbit hole and summarize the scientific studies that are branded as proof, by this group.

I started by tracking down the scientific studies. It was.. interesting. A lot of the mentioned studies came from 3 men. There are more, of course, but these seem to be the biggest “specialists” in vaccine danger. I wish I could’ve make a more extensive search, but it is difficult to find information. This is also a long post, since I tried to add a lot of official and proper data and information .

Before we start, just a quick information: for an article to be retracted from a paper, it needs to have undeniable proof of data manipulation or dishonesty involved.

So let’s begin.

Andrew Wakefield

Andrew Wakefield, a British doctor, is the starting point of the believe that the measles, mumps, and rubella (MMR) vaccine triggers Autism, in 1998. His paper was published in The Lancet, one of the most important medical journals in the UK.

However, in 2004, a truly incredible piece of investigative work by Brian Deer, link, showed that Wakefield was paid to find evidence of the correlation between MMR vaccine and Autism, and the study was made with the sole purpose of profiting through a lawsuit against the pharmaceutical company that developed the vaccine.

Also, not only he was paid to produce evidence of a “syndrome” that he talked about before the research was done, he also applied for a patent for his own version of a “safe” MMR vaccine, which would grant him even more money.  He also had allegedly plans for “Autism testing kits”, and even a cure.

Most co-authors of that study redrew their support for the study and no research could, until now, reproduce his findings.

Besides the attempted profit from an “epidemic” he created, the study itself was deeply flawed and showed he manipulated data to fit his “syndrome”.

Wakefield denied, but there was proof enough against him to get The British General Medical Council (GMC) to found him “dishonest” and “found guilty of some charges, including four of counts of dishonesty and 12 involving the abuse of developmentally-challenged children.”

The Lancet retracted the article in 2010, and he lost his medical license and is not allowed to practice medicine in the UK. He never appealed, showed proof against this allegations, or sued for defamation.

However, he was not done with the anti-vax movement. He directed the movie Vaxxed in 2016. In the “documentary” Brian Hooker says he analyzed the data from a 2004 CDC study (that found no overall difference in vaccination rates between kids with and without autism), and found “evidence” that the CDC had hidden proof that the vaccine could increase the Autism risk.

Several studies were funded and peer-reviewed, with thousands of children from different countries, and none found any relation with the MMR vaccine or the preservatives used in the vaccine.

Wakefield is now in the US, where he pushes his anti-vax agenda into unsuspected parents, and two outbreaks of measles were connected to his appearances and talks.

The Vaxxed “documentary” leads me to the next person involved:

Brian Hooker

Brian Hooker is a PhD in chemical engineering that works for a Christian university. He published a scientific article with the allegations he talks in the Vaxxed movie, but it was retracted. He has around 26 articles published, 17 related to Autism, 2 of them retracted.

The retraction note from the journal says “there were undeclared competing interests on the part of the author which compromised the peer review process. Furthermore, post-publication peer review raised concerns about the validity of the methods and statistical analysis”

In fact, the Vaxxed movie makes emotional appeals, conspiracy theories based on “everyone in the world is in on this”, and manipulated statistics, but no solid proof whatsoever.

Another study, that Brian Hooker co-authored, with the main author Mark Meier, it was also retracted.

Mark Geier

Mark R Geier is an American physician that had his license revoked/suspended in every state. He works and publishes with his son, David Geier, who has an Art Bachelor. Mark Geier have 127 articles listed in Pubmed in the last 20 years, a lot of them with his son.

In one of the studies, Geiers compared complaints associated with thimerosal-containing vaccine and thimerosal-free vaccines, which are incredibly non-reliable and not representative. A complaint is very subjective, and doesn’t gives an overview of issues, since most people might not associate causality and don’t complain. Four others studies written by them got to the same conclusion. As we know, correlation doesn’t mean causality. In Australia there is a correlation between ice cream sales and shark attacks. It doesn’t mean it causes it.

The Institute of Medicine did an investigation on the connection between thimerosal and Autism and reported that their studies had severe flaws, were “uninterpretable”, and they used scientific terms incorrectly.

There were already two major international studies, one in Britain (by World Health Organization) and another one in Denmark, that proved exactly the opposite. The Denmark study showed number of children increased after implementing thimerosal-free vaccines, and the Britain study showed the children that received most thimerosal in vaccines had a lower incidence of developmental issues.

It seems part of the data that was considered in these studies, and not with Geiers was factors for increased risk in developmental issues. It is necessary to exclude cases where the risk of developmental problems is high in the first place, like when the parents are older than 35 years old. That was why the CDC study Brian Hooker points as flawed showed a connection initially, but after further investigation, and account for risk factors as low birth weight, it showed none.

Still, Geiers family didn’t gave up and started theorizing that the cause of Autism was an interaction between mercury and testosterone. According to the Maryland Board of Physicians, they decided to experiment their theories on children. So, without studies that confirmed it, and lying to the parent’s children saying it was an approved therapy, they went on to develop an unproven dangerous treatment with daily injections of leuprolide, or Lupron, that is used to treat prostate cancer and chemically castrate sex offenders. The side effect are heart and bones damages, and increase seizures disorders (already common in autistic people). With those injections, they also “treated” the children with chelation, a detoxifying technique for “mercury poisoning”. Everything had a cost of $5000 a month. They also found the Board that supervise his experiments were him, his son, his wife, a business partner and a lawyer involved in litigations related with vaccines.

He lost his license and his son was charged for practicing medicine without a license.

Chelation is not only used for Geiers, and one doctor forced children to sit in a 70ºC sauna, have 60 supplements a day and have their blood drawn until pass out. It also might lead to kidney and liver damage.

A litigation that requested damage pay for Autism caused by vaccines even ended with the following veredict: “After careful consideration, I conclude that the Geiers’ studies cannot be given any weight. (…) The committee noted that the studies were based on databases that themselves had “significant limitations”, and that the studies had “serious methodological problems” or “serious methodological limitations”. The committee added that the Geiers’ articles describing their analytical methods were “not transparent” and omitted “important details,” so that it was impossible to evaluate the studies.”

He is still writing and publishing at the moment, with the last article published in May 2020.

Now, there are barely any mercury in the vaccines, and not more than the daily supply that the child gets from breast milk, and after 2001 all thimerosal was removed (except some flu vaccines). However, the amount of diagnosis continues to grow, but so the anti-vax movement.

Conclusion

Of course there are more scientists publishing about the connection between vaccines and Autism, but I couldn’t analyze all, also because it is quite difficult to find information about it. I just wanted to show you that in today’s world we need to be more careful and rational when a so called “expert” make controversial claims. They are making a lot of money for those claims, and the experiment on children.

Some people say that Autism is a vaccine injury. However, Vaccine Injury Compensation Program (VICP) never identified Autism as an injury in itself, even saying:  “even for injuries not on the table, the authors of the Pace Law Review article do not identify any case in which the VICP has concluded that a vaccine caused autism. To the contrary, “in every claim submitted…, the Health Resources and Services Administration has maintained and continues to maintain the position that vaccines do not cause autism, and has never concluded in any case that autism was caused by vaccination.””

Recently, VICP paid to a family with a child, Hannah Poling that developed Autism-traits resulted by an encephalopathy caused by a mitochondrial enzyme deficit, and that the vaccine exacerbated it, and triggered it. However, she had some of the same features, like fever, even before the vaccine, and this does not mean that vaccine generated Autism, but that the mitochondrial enzyme deficit that she had (that causes Autism-like traits), and was already going to develop, was triggered at that time.

Besides, to get compensated by VICP you do not have to prove vaccines actually caused the illness/condition but instead “if a petitioner proposed a biologically plausible mechanism by which a vaccine could cause harm, as well as a logical sequence of cause and effect, an award should be granted”. You just need a theory and medical records that showed you had a vaccine before developing the symptoms. Even in cases where there is scientific evidence that show no link between vaccines and the illness/condition, if the biological mechanism that you present makes sense, they might rule for compensation, opening up a full list of precedents in legal trials not based on scientific evidence or medical data.

In some cases, Autism traits might show from one day to another, around the 18 months, so some parents might associate it with the vaccine, taken around the same time.

We continue to let our children be experimented on, tortured and traumatize for the sake of “curing” their autism. How much are we willing to make them suffer, so parents feel less overwhelmed with who they are?

In relation to why the Autism number continue to grow, it is by better diagnosis techniques and better studies for assessment. Women were barely diagnosed, since the initial studies to standardize traits for assessment were based in men. Women have a different dynamic in friendships and life that leads to a different presentation of the same traits as men, specially it was found they are very good at masking their traits. People of color are less diagnosed, and a study in the US showed white children are 19% more likely than black children of getting the diagnosis, and 65% more likely than Hispanic childen to get it.

We are now in a point that we are starting to add to our numbers all the women that were missed by doctors that now have autistic children and found out that they are too, as well as people of color, or the considered “high functioning”.

I would like to say that was resolved and we are now using funding for other types of studies, but it is not true. President Donald Trump was trying to create an anti-vaccine committee, with Wakefield on it, to access vaccine injury. Until now, it was not formed, but it is still possible.

We spent a decade of scientific funding and resources in trying to connect Autism and vaccines, and we couldn’t. The first study to access probability of an autistic mother to have an autistic child it is now being investigated, in 2020! We could’ve used that money to fund genetic studies, to support the creation of Autism-friendly therapies and support for the families. Instead, we continue to waste millions on trying to prove a point that was overlooked, maintained by doctors who earn a lot of money in perpetuating that idea.

Meanwhile, autistic adults remain unsupported, children without access to appropriate therapy, families without access to professionals and the diagnosis taking years. It took years of draining money from autists for “pet projects” by megalomaniacs.

Enough.

References


O negócio de família do Anti-vax

Uma pesquisa recente do YouGov descobriu que um em cada seis entrevistados no Reino Unido indicou que “definitivamente” ou “provavelmente não” seriam vacinados se uma vacina contra o coronavírus fosse disponibilizada. Isso não é novo, apesar de assustador

Os grupos anti-vacinação estão mais vocais e ganharam força como grupo nos últimos anos. No entanto, quando mergulhamos na realidade dos médicos que apoiam suas crenças, as coisas ficam turvas.

Na década de 1980, o Autismo foi diagnosticado em 1 caso em cada 10.000 nascimentos, mas em 2003 foi 1 em 166. Alguns rotulam isso como uma epidemia. Alguns acreditam que a culpa é das vacinas. Ao investigar o porquê dessa crenças, eu, uma pessoa autista, decidi cair nesta toca do coelho e investigar os estudos científicos que são marcados como prova, por este grupo.

Muitos dos estudos mencionados vieram de 3 médicos. Existem mais, é claro, mas esses parecem ser os maiores “especialistas” no perigo das vacinas. Eu gostaria de ter feito uma pesquisa mais extensa, mas é difícil encontrar informações.

Antes de começar, apenas uma informação rápida: para que um artigo seja retirado de um papel, ele precisa ter provas inegáveis ​​de manipulação de dados ou desonestidade envolvida.

Então, vamos começar.

Andrew Wakefield

Andrew Wakefield, um médico britânico, é o ponto de partida da crença de que a vacina contra sarampo, papeira (caxumba no Brasil) e rubéola desencadeia problemas de desenvolvimento, em 1998. Seu artigo foi publicado in The Lancet, uma das revistas médicas mais importantes do Reino Unido.

No entanto, em 2004, um trabalho investigativo verdadeiramente incrível de Brian Deer, link , mostrou que Wakefield foi pago para encontrar evidências da correlação entre a vacina e Autismo, e o estudo foi feito com o único objectivo de lucrar por meio de uma acção judicial contra a empresa farmacêutica que desenvolveu a vacina.

Para além disso, não só ele foi pago para produzir evidências de uma “síndrome” da qual falou antes de a pesquisa ser feita, mas também solicitou uma patente para sua própria versão do uma vacina “segura”, que lhe daria ainda mais dinheiro. Ele também tinha planos para “kits de teste de Autismo” e até uma cura.

A maioria dos co-autores desse estudo retiraram o seu apoio ao estudo e nenhuma investigação conseguiu reproduzir suas descobertas.

Além da tentativa de lucro com uma “epidemia” que ele criou, o próprio estudo era profundamente imperfeito e mostrou que ele manipulou dados para se adequar à sua “síndrome”.

Wakefield negou, mas havia provas suficientes contra ele para que o British General Medical Council (GMC) o considerasse “desonesto” e “considerado culpado de algumas acusações, incluindo quatro de acusações de desonestidade e 12 envolvendo o abuso de crianças com problemas de desenvolvimento. ”

The Lancet retirou o artigo em 2010, e ele perdeu sua licença médica e não tem permissão para praticar medicina no Reino Unido. Ele nunca apelou, mostrou provas contra essas alegações ou processou por difamação.

No entanto, ele não terminou com o movimento antivax. Ele dirigiu o filme Vaxxed em 2016. No “documentário” Brian Hooker diz que analisou os dados de um estudo do Centro de Controlo de Doenças (CDC) de 2004 (que não encontrou nenhuma diferença geral nas taxas de vacinação entre crianças com e sem autismo), e encontraram “evidências” de que o CDC ocultou provas de que a vacina poderia aumentar o risco de autismo.

Vários estudos foram financiados e revisados ​​por pares, com milhares de crianças de diferentes países, e nenhum encontrou qualquer relação entre a vacina contra sarampo, papeira (caxumba no Brasil) e rubéola e problemas de desenvolvimento, como o Autismo..

Wakefield está agora nos Estados Unidos, onde empurra a sua agenda anti-vacinação para pais, e dois surtos de sarampo já foram relacionados com as suas conferências.

O “documentário” do Vaxxed leva à próxima pessoa envolvida:

Brian Hooker

Brian Hooker é PhD em engenharia química e trabalha para uma universidade católica. Ele publicou um artigo científico “Measles-mumps-rubella vaccination timing and autism among young African American boys: a reanalysis of CDC data” com as alegações de que fala no filme Vaxxed, onde acusa o CDC de esconder dados que conectam as vacinas como causa do Autismo. O artigo já foi retirado. Ele tem cerca de 26 artigos publicados, 17 relacionados ao autismo, 2 deles retirados.

A nota de exclusão do jornal diz “havia conflito de interesses não declarados por parte do autor que comprometeram o processo de revisão por pares. Além disso, a revisão por pares pós-publicação levantou preocupações sobre a validade dos métodos e da análise estatística”.

Na verdade, o filme Vaxxed faz apelos emocionais, teorias da conspiração baseadas em “todo mundo está envolvido nisso” e estatísticas manipuladas, mas nenhuma prova sólida.

Outro estudo, de co-autoria de Brian Hooker, com o autor principal Mark Meier, também foi retirado.

Mark R. Geier

Mark R Geier é um médico americano que teve sua licença revogada ou suspensa em todos os estados. Ele trabalha e publica com seu filho, David Geier, que é licenciado em Artes. Mark Geier tem 127 artigos listados no Pubmed nos últimos 20 anos, muitos deles com seu filho.

Em um dos estudos, Geiers comparou as reclamações associadas à vacina contendo timerosal e vacinas sem timerosal (preservante nas vacinas), que são incrivelmente não confiáveis ​​e não representativas. Uma reclamação é uma variável muito subjectiva e não científica. Quatro outros estudos escritos por eles chegaram à mesma conclusão. Como sabemos, correlação não significa causalidade. Na Austrália, há uma correlação entre vendas de gelados e ataques de tubarão. Não significa que seja a causa.

O Instituto de Medicina fez uma investigação sobre os seus estudos e a conexão entre timerosal e Autismo e relatou que os estudos de Geier tinham falhas graves, eram “não interpretáveis” e usavam termos científicos incorrectamente.

Já houve dois grandes estudos internacionais, um na Grã-Bretanha (pela Organização Mundial da Saúde) e outro na Dinamarca, que provavam exactamente o contrário. O estudo da Dinamarca mostrou que o número de crianças com Autismo aumentou após a implementação de vacinas sem timerosal, e o estudo da Grã-Bretanha mostrou que as crianças que receberam mais timerosal nas vacinas tiveram uma incidência menor de problemas de desenvolvimento.

Parece que parte dos dados que foram considerados nesses estudos, e não com Geiers, foram factores de risco aumentado em questões de desenvolvimento. É necessário excluir os casos em que o risco de problemas de desenvolvimento é alto em primeiro lugar, como quando os pais têm mais de 35 anos. É por isso que o estudo do CDC que Brian Hooker aponta como a “esconder provas” mostrou uma conexão inicialmente, mas após uma investigação mais aprofundada, e levar em conta factores de risco como baixo peso ao nascer, não mostrou nenhuma.

Ainda assim, a família Geiers não desistiu e começou a teorizar que a causa do autismo era uma interacção entre o mercúrio da vacina e testosterona. De acordo com o Conselho de Médicos de Maryland, eles decidiram experimentar suas teorias com crianças. Assim, sem estudos que o confirmassem e mentindo aos pais dizendo que era uma terapia aprovada, eles desenvolveram um perigoso tratamento não comprovado com injecções diárias de leuprolide, ou Lupron, que é usado para tratar cancro da próstata e castrar quimicamente violadores. Os efeitos colaterais são danos ao coração e ossos, e aumentam os distúrbios convulsivos (já comuns em pessoas autistas). Para além dessas injecções, eles também “trataram” as crianças com quelação, uma técnica “desintoxicante” para “envenenamento por mercúrio”. Tudo custava US$5.000 por mês. O Conselho de Médicos também descobriu que o comité que supervisiona as suas experiências era composto por ele, seu filho, sua esposa, um parceiro de negócios e um advogado envolvido em litígios relacionados com vacinas. A empresa onde trabalha “Institute of Chronic Illnesses. Inc.” tem como endereço oficial a sua casa privada.

Ele perdeu a licença e o filho foi acusado de praticar medicina sem licença.

A quelação não é usada apenas para Geiers, e um médico chegou a forçar crianças a se sentar em uma sauna a 70ºC, tomar 60 suplementos por dia e tirar o sangue até desmaiar. Também pode causar danos renais e hepáticos.

Um litígio que solicitava indemnização pelo autismo causado por vacinas terminou com o seguinte veredicto: “Após uma consideração cuidadosa, concluo que os estudos de Geiers não podem ser avaliados. (…) O comité observou que os estudos foram baseados em bancos de dados que eles próprios tinham “limitações significativas” e que os estudos tinham “problemas metodológicos graves” ou “limitações metodológicas sérias”. O comité acrescentou que os artigos de Geiers descrevendo seus métodos analíticos foram “não transparentes” e omitiram “detalhes importantes”, de forma que foi impossível avaliar os estudos. “

Ele ainda escreve e publica artigos científicos, com o último artigo publicado em maio de 2020.

Agora, quase não há mercúrio nas vacinas, e não mais do que o suprimento diário que a criança recebe do leite materno, e depois de 2001 todo o timerosal foi removido (exceto algumas vacinas contra gripe). No entanto, a quantidade de diagnósticos continua a crescer, mas também o movimento antivax.

Conclusão

É claro que há mais cientistas publicar sobre a conexão entre vacinas e autismo, mas não pude analisar todos, também porque é muito difícil encontrar informações sobre isso. Os artigos raramente são publicados em revistas conceituadas ou citados por outros artigos. Eu só queria mostrar que no mundo de hoje precisamos ser mais cuidadosos e racionais quando um suposto “especialista” faz afirmações controversas. Eles estão a ganhar muito dinheiro com essas reivindicações e com a experimentação com crianças.

Algumas pessoas também dizem que o autismo é uma lesão causada pela vacina. No entanto, o Programa de Compensação de Lesões por Vacinas (VICP) nunca identificou o Autismo como uma lesão em si: “Mesmo para lesões que não estão na mesa, os autores do artigo da Pace Law Review não identificam nenhum caso em que o VICP tenha concluído que uma vacina causou autismo. Ao contrário, “em cada reclamação apresentada …, a Administração de Recursos e Serviços de Saúde manteve e continua a manter a posição de que as vacinas não causam autismo e nunca concluiu em nenhum caso que o autismo foi causado pela vacinação.” ”

Recentemente, o VICP pagou a uma família com uma criança, Hannah Poling, que desenvolveu traços similares autismo resultantes de uma encefalopatia causada por um déficit enzimático mitocondrial, e que a vacina o exacerbou e o desencadeou. No entanto, ela tinha algumas das mesmas características, como febre, mesmo antes da vacina, e isso não significa que a vacina gerou autismo, mas que o déficit de enzimas mitocondriais que ela tinha (que causa traços semelhantes ao autismo), e já iria ser desenvolvido, foi accionado na época.

Além disso, para ser indemnizado pelo VICP, não precisa provar que as vacinas realmente causaram a doença/condição, mas sim “se um peticionário propôs um mecanismo biologicamente plausível pelo qual uma vacina poderia causar danos, bem como uma sequência lógica da causa e efeito, um prémio deve ser concedido ”. Você só precisa de uma teoria e de registos médicos que mostrem que você recebeu uma vacina antes de desenvolver os sintomas. Mesmo nos casos em que há evidências científicas que mostram que não existe nenhuma ligação entre as vacinas e a doença/condição, se o mecanismo biológico apresentado fizer sentido, eles podem determinar a compensação, abrindo uma lista completa de precedentes em julgamentos jurídicos não baseados em evidências ou dados médicos. No entanto, autismo nunca foi uma dessas doenças/condições.

Em alguns casos, os traços do autismo podem aparecer de um dia para o outro, por volta dos 18 meses, e por isso alguns pais podem associá-los à vacina, administrada na mesma época.

Continuamos a permitir que as nossas criançs sejam experimentados, torturados e traumatizados com o objectivo de “curar” seu autismo. O quanto estamos dispostos a fazê-los sofrer, para que os pais se sintam menos sobrecarregados com quem são?

Em relação ao motivo pelo qual o número do autismo continua a crescer, é por melhores técnicas de diagnóstico e melhores estudos para avaliação. As mulheres mal eram diagnosticadas, uma vez que os estudos iniciais para padronizar traços para avaliação foram baseados em homens. As mulheres têm uma dinâmica diferente nas amizades e na vida que leva a uma apresentação diferente dos mesmos traços que os homens, especialmente se constatou que elas são muito boas em mascarar os seus traços. Pessoas de cor são menos diagnosticadas, e um estudo nos EUA mostrou que crianças brancas têm 19% mais probabilidade do que crianças negras de obter o diagnóstico e 65% mais probabilidade do que crianças hispânicas de o obter.

Estamos agora em um ponto em que começamos a adicionar aos nossos números todas as mulheres que foram perdidas pelos médicos que agora têm filhos autistas e descobriram que também são autistas, assim como as pessoas de cor, ou as consideradas “ alto funcionamento ”.

Eu gostaria de dizer que a questão das vacinas foi resolvida e agora estamos a usar ofinanciamento para outros tipos de estudos, mas não é verdade. O presidente Donald Trump estava a tentar criar um comitê anti-vacinas, com Wakefield nele, para acessar os danos causados ​​pela vacina. Até agora, não foi formado, mas ainda é possível.

Passámos mais de duas décadas de financiamento científico e recursos a tentar conectar o autismo e as vacinas, e não conseguimos. No entanto, o primeiro estudo para veriicar a probabilidade de uma mãe autista ter um filho autista só está agora a ser investigado, em 2020! Poderíamos ter usado esse dinheiro para financiar estudos genéticos, para apoiar a criação de terapias amigáveis ​​ao autismo e apoio para as famílias. Em vez disso, continuamos a desperdiçar milhões ao tentar provar um ponto desprovado, mantido por médicos que ganham imenso dinheiro em perpetuar essa ideia.

Enquanto isso, os adultos autistas continuam sem apoios, as crianças sem acesso a terapia apropriada, as famílias sem acesso a profissionais e o diagnóstico a demorar anos. Foram anos a drenarem o dinheiro de pais e autistas para “projectos de estimação” de megalomaníacos.

Chega.

Referências

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s