Categories
Autism

The Origin of Masking

A couple of weeks ago I had someone coming to me saying “I can’t believe autistic people mask their traits, that is impossible. And if you do, it is your choice” Some don’t, yes. Others do.

What I don’t think people understand is.. it is part a choice, part an obligation. Yes, we can avoid masking and be our true unapologetic autistic self, but if we want to survive? Nope.

So I thought about writing on my experiences of WHY I mask. This is quite personal and long, so for every person will be different. And don’t think I am saying this is traumatizing. I know there are worse thing (and obviously I am not adding here everything). I just want to give examples of small things that we do, and why we do it.

Stimming

My main stim is rubbing my ears. I always do it, and apparently is kind of in the family (neurotypicals also stim, specially as a child). For me it was the intensity of it. I just couldn’t stop. I had several comments about this. This is why, and how I started masking my stimming.

“Stop touching your ears. You will look like Dumbo”: Ok.. this was the most terrifying of them all. I am a literal person, so thinking my ears will become like the elephant Dumbo from Disney, when I was around 8 years old, it scared the sh*t out of me. I stopped for a while, but I would feel awful and had to restart, always thinking I might have to go to surgery for my ears when I grew up.

“Are you talking on your phone? What are you doing?” This was a common one once I grew up that I learned that I could say “I just had an itch” and people mainly dropped it.

This made me stopped stimming in public. Every time I go out, I stim by rubbing my hands together. Even if I am in Zoom meeting or any place where someone I don’t trust can see me. Now I am a cricket instead of Dumbo, but people accept it more.

Social interactions

I was always very oblivious to how other girls tried to torture me into social chambers of pain, and when I realized, it cut deep. I always had several moments, where a friend would stop speaking to me, and I had absolutely no idea why. I would just had to shrug and carry on, terrified that would happen again.

In high school, it was hellish. So here is a couple of situations that made me learn of masking.

When I was around 16 I had to put braces. They had rubbers on the sides and sometimes on the front (yeah… seriously cool). The first day I put it on, I was ok with it. I never really cared about appearance and a lot of girls use it as a fashionable thing. I stepped out of consultation and passed by the mall to go home. There, there were 4 girls of my class. They never really talked to me before. They called me and they complimented my braces, and said “we want to take a picture with you”. I was so happy. I was part of a group. Until I realize I wasn’t. They never really talked to me after that. They just wanted to take a picture of me with the braces to mock. I used them for 2 years, there is not ONE single picture of me with them. I assumed it was a reason to mock me.

When I was growing up, I had several adults blaming me for “hiding something” or that I was being rude. I didn’t understood what exactly they assumed I was hiding until I realized it was because I didn’t looked them in the eyes. After that, I start looking into the spot between the eyebrows, and they dropped it. I never though, and will never, be able to look in the eyes for a long period of time. It is not a learning thing, it is just really disturbing. If I have to do it, I will not be able to hear what people say.

Once I went to University, I started dating someone that I dated for 8 years. I started hanging out in a group that knew me and him, and I still am to the day. I use to go to the city he studied to go out in a week long party we all have in the end of the year. Yes.. week long, the autistic nightmare. I had some occasions, I got so overwhelmed with the music, people and dust around me I just crashed. I didn’t knew why. I would ask him to go home, mostly out of disorientation and not being able to process anything, specially not a ride to his home alone. We had several arguments about this. He thought I just didn’t want him to party. I just got overloaded and had no idea (I didn’t knew I was autistic). There was one day, I ignored my overloading to a point that I got fever and fell sick. He still blamed me. (He was always an amazing guy, we were just kids). After that, I learned how to pretend I was not overwhelmed, until the point I would get to the house and cry in the toilet.

Other ways I mask:

  • Saying I am tired, when I am overloaded
  • Reading a book, when I go non-verbal
  • Pretending I have a lot of work so I can have lunch alone
  • Pretending I am writing something so I don’t have to look people in the eyes
  • Having a script of small talk
  • Overthinking conversations and analysing them to know what to say

There are a lot more examples, a lot, but if I continue this just becomes a book. I just wanted to give a couple so people understand that yes, we choose to not stim in public, but because if we do, we get bullied. We choose to mask our social difficulties, but because if we don’t, we became alone.

In a way, everyone, including neurotypicals, mask. But while they mask personality, we have to mask neurological characteristics, and it’s just doesn’t work as well.

I was called manipulative and b*tchy for wanting some routine, or a little bit of control on where to go out, because if I hadn’t, I would get overloaded, so I started to just be overloaded and hide it. I was called weird for stimming, or being socially awkward, so I stimmed in a socially acceptable way. I was called a lot of things. For some black autistic people, there is also the safety issue. Many got arrested or shot, for looking “threatening” while stimming or having a meltdown. All of those, made me understand by society that the price I have to pay to be a part of it, is to mask who I truly am. I did paid that price. It was in a way a choice, but not really.

Even autistic people that called “low-functioning” might mask. Several of the biggest and most used therapies are designed to make an autistic person look more neurotypical. Those include, punishing children that don’t look them in the eyes, for example, or give them a treat if they do.

It is a choice in a way that we are made to choose if we want to be part of society, work, have friends and a partner, or if we want to be lonely and isolated. So, yes, it is a choice, but not really.

Masking is a process of continuously being said by society that you are not good enough, be someone else. You are too weird to be a part of us, but once you start masking, you are too normal to be autistic. So we became nothing. A void between what we are and what we should be.


A origem do Mascaramento

Algumas semanas atrás, alguém disse-me: “Não acredito que pessoas autistas mascaram os seus traços, isso é impossível. E se fizer isso, é a sua escolha.”

O que eu não acho que as pessoas entendam é: é parte uma escolha, parte uma obrigação. Sim, podemos evitar o mascaramento e ser o nosso verdadeiro eu autista sem remorso, mas e se quisermos sobreviver? Não.

Então, pensei em escrever sobre minhas experiências de PORQUE eu mascaro. Isto é muito pessoal e longo, e para cada pessoa será diferente. E não pense que estou a dizer que isso é traumatizante. Só quero dar exemplos de pequenas coisas que fazemos e por que o fazemos.

Mascarar Estereotipias

A minha estereotipia ou stim principal é esfregar as orelhas. Sempre faço isso, e aparentemente é meio de família (os neurotípicos também fazem, principalmente quando criança). A diferenca é a intensidade. Eu simplesmente não conseguia parar. Eu tinha vários comentários sobre isso. E por isso comecei a mascarar o meu stimming.

“Para de tocar nas orelhas. Vais ficar parecida com o Dumbo”: Ok .. este foi o mais assustador de todos. Eu sou uma pessoa literal, então pensar que as minhas orelhas vão se tornar como o elefante Dumbo da Disney, quando eu tinha cerca de 8 anos, assustou-me imenso. Parei por um tempo, mas sentia-me péssima e tinha logo que reiniciar, sempre a pensar que talvez fosse tivesse que fazer uma cirurgia nas orelhas quando crescesse.

Recebi imensos comentarios sobre o meu stimming, incluindo de namorados. Isso fez-me parar de fazer stim em público. Cada vez que saio, o meu stim vira esfregar as mãos. Mesmo se eu estiver numa reunião do Zoom ou em qualquer lugar onde alguém me possa ver. Agora sou um grile em vez do Dumbo, mas as pessoas aceitam mais.

Interações sociais

Eu sempre fui muito indiferente ao modo como outras meninas tentavam me torturar socialmente e, quando percebia, magoava. Sempre tive vários momentos, em que uma amiga parava de falar comigo, e eu não tinha absolutamente nenhuma ideia do porquê. Eu apenas encolhia os ombros e continuava, com medo de que isso acontecesse novamente.

Quando eu tinha cerca de 16 anos, tive que colocar aparelho nos dentes. No primeiro dia em que o coloquei, estava tudo bem. Nunca me importei muito com a aparência e muitas meninas usavam isso como moda. Saí da consulta e passei pelo centro comercial para ir para casa. Lá, encontrei 4 meninas da minha classe. Elas nunca falaram comigo antes, mas chamaram-me e elogiaram o meu aparelho, e disseram “queremos tirar uma foto”. Eu estava tão feliz. Afinal elas gostavam de mim. Até eu perceber que não. Elas nunca mais falaram comigo depois disso. Só queriam tirar uma foto minha com o aparelho para ridicularizar. Eu usei o aparelho por 2 anos, não há uma única foto minha com isso. Achei que fosse um motivo para me ridicularizar.

Quando era crianca, vários adultos culpavam-me por “esconder algo” ou por ser rude. Eu não entendia exatamente o que eles presumiam que eu estava a esconder até que percebi que era porque não os olhava nos olhos. Depois disso, comecei a olhar para o ponto entre as sobrancelhas e deixaram de dizer. Eu nunca consegui, e nunca serei capaz de olhar nos olhos por um longo período de tempo. Não é uma coisa para aprender, é realmente perturbador. Se eu tiver que fazer isso, não consigo ouvir o que as pessoas dizem.

Depois que fui para a universidade, comecei a namorar e a frequentar um grupo que me conhecia a mim e a ele. Eu costumava ir à cidade que ele estudava para sair para uma festa de uma semana que nós fazemos no final do ano., a festa academica. Sim .. uma semana inteira, o pesadelo autista. Eu tive algumas ocasiões em que fiquei tão sobrecarregada com a música, as pessoas e o pó ao meu redor que simplesmente colapsava. Eu não sabia porquê. Eu pedia-lhe para ir para casa, principalmente por desorientação e não ser capaz de processar nada, especialmente uma viagem para sua casa sozinha. Tivemos várias discussões sobre isso. Ele pensava que eu simplesmente não queria que ele se divertisse, mas na verdade ficava sobrecarregada e não fazia ideia (não sabia que era autista). (Ele sempre foi incrível, éramos apenas crianças). Depois disso, aprendi a fingir que não estava sobrecarregada, até o ponto de chegar em casa e chorar escondida. Um dia, ignorei ao ponto de ficar com febre e ficar doente.

Outras formas que eu mascaro:

  • Dizer que estou cansada, quando estou sobrecarregada
  • Ler um livro, quando fico não-verbal
  • Fingir que tenho muito trabalho para poder almoçar sozinha
  • Fingir que estou a escrever algo para não ter que olhar as pessoas nos olhos durante uma reuniao
  • Ter um roteiro de conversa fiada
  • Pensar demasiado nas conversas que tive e as analisar para saber o que dizer da proxima vez

Existem muitos mais exemplos, muitos, mas se eu continuar, isto torna-se num livro. Eu só queria dar alguns exemplos para que as pessoas entendessem que sim, nós escolhemos não fazer stim em público, mas porque se o fizermos, seremos alvo de bullying. Optamos por mascarar as nossas dificuldades sociais, mas porque, se não o fizermos, ficamos sozinhos. Muitas vezes nem sabemos que somos autistas, e por isso pensamos que somos esquisitos e temos que “melhorar” e copiar os outros.

De certa forma, todos, inclusive neurotípicos, mascaram. Mas, embora mascarem a personalidade, temos que mascarar as características neurológicas, e isso simplesmente não funciona tão bem.

Fui chamada de manipuladora e controladora por querer alguma rotina, ou um pouco de controle sobre para onde sair, porque se não o fizesse, ficaria sobrecarregada, então comecei apenas a ficar sobrecarregadr e a esconder isso. Fui chamada de esquisita por ser socialmente desajeitada, então tentava copiar o que era aceite. Eu fui chamado de muitas coisas. Para algumas pessoas autistas negras, também existe o problema de segurança. Muitos foram presos ou mortos, por parecerem “ameaçadores” durante o stimming ou ao ter um meltdown. Tudo isso, fez-me entender pela sociedade que o preço que tenho que pagar para fazer parte dela é mascarar quem eu realmente sou. Eu paguei esse preço. De certa forma, foi uma escolha, mas na realidade não.

Mesmo autistas de “baixo funcionamento” podem mascarar. Várias das terapias maiores e mais usadas são projetadas para fazer uma pessoa autista parecer mais neurotípica. Isso inclui punir crianças que não os olham nos olhos, por exemplo, ou dar-lhes algo se o fizerem.

É uma escolha de uma forma que somos levados a escolher se queremos fazer parte da sociedade, trabalhar, ter amigos e um parceiro, ou se queremos ser solitários e isolados. Então, sim, é uma escolha, mas não realmente.

Mascarar é um processo em que a sociedade continuamente diz que não somos bons o suficiente, e portanto temos que ser outra pessoa. Somos muito estranhos para fazer parte, mas quando começamos a mascarar, dizem-nos que somos normais demais para ser autista. Então acabei por me tornar em nada. Um vazio entre o que sou e o que deveria ser, até descobrir que sou autista.

Agora estou a tentar ser eu, sem remorsos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s