Categories
Autism

Prone restraints and their use in Sia’s movie Music

Tw: Description of restraints, injuries and deaths

Prone restraint is when you put the person/child facedown and sit or lay down on them, and it is use in disabled people when they have meltdowns, and I want to talk about it today. In Sia’s movie Music, we found several issues in the trailer that were awkward and quite upsetting, since it left us out of our own story, as you can see here. However, some other parts of the movie leaked online (video 1 and video 2), through @Auteach, where there are 2 scenes in the movie where they used prone restraints in Music. This is pictured as a humane approach in the movie, but it is in fact, deadly.

Legislature Bans Prone Restraints in Connecticut Schools | Connecticut  Public Radio
Image of Prone Restraint technique

This a very common form of restraint and it was used just over 38,000 times in England, in 2019. In England, this is done 10 times a day. It is supposedly used when the person might “hurt himself or others”. However, it can, and did, several times, cause injury or death. The prone restraint can limit breathing and not allow for the person to communicate to tell how they are feeling. This restraint might compress the chest, not allowing to expand to inhale, abdominal organs might be pushed up limiting the diaphragm, and agitation increases the body need intake of oxygen and heart rate, which can leads to hear failure.

A lawsuit on this subject, where ASAN participated, “points out that physical restraints and seclusion are so inherently dangerous and traumatizing that many states specifically outlaw or limit their use and the U.S. Department of Education has heavily scrutinized and sought to regulate their application.”

School is not necessarily a safe place, with the use of both prone restraints and seclusion used, as you can see for several deeply disturbing cases in this report “School is Not Supposed to Hurt“.

Something that every autistic people will immediately tell you is, if we are going through a meltdown, touching will probably only exacerbate them, since it is another sensory input. Although in SOME cases, a tight hug might help, prone restraints is not a hug. They are restricting and extremely dangerous.

Still, there were school lobbyists that “opposed this and say restraint and seclusion techniques are essential in teaching children with autism and other emotional and behavioral disabilities who act out in class and help to keep schools safe”. The problem is that the reason those restraints and seclusion are used is very vague and easily abused. Even in cases where the person might actually hurt themselves or others, there are much better ways to handle it, in a way to calm them down humanely and cutting down extra sensory stimuli. Locking them in a room or sit on them is not one of them. In fact, the GAO Report of 2009 studied 10 cases of death through this method and what they found was “(1) children with disabilities were sometimes restrained and secluded even when they did not appear to be physically aggressive and their parents did not give consent; (2) facedown or other restraints that block air to the lungs can be deadly; (3) teachers and staff in these cases were often not trained in the use of restraints and techniques; and (4) teachers and staff from these cases continue to be employed as educators.” In the Report they identified at least 20 cases of death due to restraints.

Real cases

Max Benson, 13 years old, in California, died from a prone restraint that was done on him for an hour, after kicking a wall.

Eric Parsa, 16, died after officers sat on him for 9 minutes after he had a meltdown in a parking lot.

Angellika Arndt, 7, died at a private day treatment center after being held for hours in a prone restraint on the floor by multiple staff members. The staff was allegedly unaware she had stopped breathing, thinking she fell asleep, until they rolled her body over and discovered she had begun to turn blue.

Corey Foster, 16, died after 8 special needs school staff restrained him because he would not leave the gym when he was asked.

Faith Finley, 17, died after two women restrained her face-down on the floor to “control” a meltdown.

Cornelius Fredericks, 16, who had a heart attack when at least seven workers restrained him

“Male, 14, diagnosed with post traumatic stress: 230 lb. teacher placed 129 lb. child facedown on floor and lay on top of him because he did not stay seated in class, causing his death. Death ruled a homicide but grand jury did not indict teacher. Teacher currently teaches in Virginia.”

“Female, 4, born with cerebral palsy and diagnosed as autistic: Child suffered bruising and post traumatic stress disorder after teachers restrained her in a wooden chair with leather straps described as resembling a miniature electric chair, for being “uncooperative.””

“Five victims, gender not disclosed, aged 6 and 7: Volunteer teacher’s aide, on probation for burglary and cocaine possession, gagged and duct-taped children for misbehaving. No records that school did background check or trained aide.

“Male, 9, with a learning disability: Parents allowed school to use time out room only as a “last resort,” but school put child in room repeatedly for hours at a time for offenses such as whistling, slouching, and hand waving. Mother reported that the room smelled of urine and child’s hands became blistered while trying to escape.”

“According to the father of an 8-year-old autistic boy, his son suffered
from scratches, bruises and a broken nose after being put in a prone
restraint by his public school teacher and aide.”

Our issue now with Sia’s movie is not only that excludes from our own stories, but actually supports the use of force to subjugate disabled people, and pass a dangerous and deadly technique as humane and “helpful”. Her active attempt to dehumanise and use us into her own narrative is concerning, and deeply retraumatizing for many autistic people. The last thing we need is people to see the movie and think that is how you should handle a meltdown.

Disabled lifes were historically ignored as less, and we still continue to see this since most teachers are not indicted for murder, and a potential deadly technique is still being used because other’s comfort and sense of control is more important than autistic lifes in itself.

Please do NOT see the movie or give any money their way. Boycott the movie. Not only for our inclusion, but for Eric, for Max, for Corey, for Faith, and many others. And please, advocate for the proihibition of the use of prone restraints and do NOT ever try to use them in someone.


Contenção ‘prone’ e o seu uso no filme de Sia ‘Music’

Tw: Descrição de contenção, lesões e mortes
A contenção ‘prone’ é quando se coloca a pessoa de bruços no chão e se senta ou deita sobre ela. É utilizado em pessoas com deficiência e autistas quando têm metldowns, e eu quero falar sobre isso hoje. No filme Music da Sia, encontrámos vários problemas no trailer que foram perturbadores, já que nos deixavam de fora da nossa própria história, como podem ver aqui. No entanto, algumas outras partes do filme vazaram online (vídeo 1 e vídeo 2), partilhado pela @Auteach, onde há 2 cenas no filme em que eles usaram contenções em Music. Isso é retratado como uma abordagem humana no filme, mas é, na verdade, mortífero.

Legislature Bans Prone Restraints in Connecticut Schools | Connecticut  Public Radio
Imagem da técnica de contenção ‘prone’

Essa forma de contenção é muito comum e foi usada mais de 38 mil vezes na Inglaterra, em 2019, o que equivale a 10 vezes ao dia. É supostamente usado quando a pessoa pode “apresenta perigo de se magoar a si mesma ou aos outros”. No entanto, pode, e causou, várias vezes, ferimentos ou morte. A contenção de bruços pode limitar a respiração e não permitir que a pessoa se comunique para dizer como se está a sentir. Essa restrição pode comprimir o tórax, não permitindo a expansão dos pulmões para inalar, os órgãos abdominais podem ser empurrados para cima, limitando o diafragma, e a agitação aumenta a necessidade de oxigênio no corpo e a frequência cardíaca aumenta, podendo causar paragem cardiaca.

Uma ação judicial sobre este assunto, em que a ASAN participou, “aponta que restrições físicas e isolamento são tão inerentemente perigosos e traumatizantes que muitos estados especificamente proíbem ou limitam seu uso e o Departamento de Educação dos Estados Unidos examinou profundamente e procurou regulamentar sua aplicação.” (Isolamento e quando fecham a pessoa numa sala sozinha).

A escola não é necessariamente um lugar seguro, com o uso de contenções de bruços e isolamento, como pode ver em vários casos profundamente perturbadores neste relatório “A escola não devia doer“.

Algo que todo o autista lhe dirá imediatamente é que, se estivermos a passar por um metltdown, o toque provavelmente só o exacerbará, já que é outro input sensorial. Embora em ALGUNS casos, um abraço apertado possa ajudar, restrições de bruços não são um abraço. Eles são restritivos e extremamente perigosos.

Ainda assim, houve responsáveis escolares que “se opuseram a isso e disseram que as técnicas de contenção e isolamento são essenciais para ensinar crianças com autismo e outras deficiências emocionais e comportamentais que agem em sala de aula e ajudam a manter as escolas seguras”. O problema é que o motivo pelo qual essas restrições e isolamento são usadas é muito vago e facilmente usado em demasia e mal. Mesmo nos casos em que a pessoa pode realmente se magoar a si mesma ou a outras pessoas, há maneiras muito melhores de lidar com isso, de forma a acalmá-la humanamente e reduzir os estímulos sensoriais extras. Trancá-los numa sala ou se sentarem sobre eles não é um deles. Na verdade, o Relatório GAO de 2009 estudou 10 casos de morte por meio desse método e o que eles descobriram foi “(1) crianças com deficiência às vezes eram contidas e isoladas mesmo quando não pareciam ser fisicamente agressivas e seus pais não deram consentimento; (2) de bruços ou outras restrições que bloqueiam o ar para os pulmões podem ser fatais; (3) professores e funcionários, nesses casos, muitas vezes não foram treinados no uso de restrições e técnicas; e (4) professores e funcionários desses casos continuam para trabalhar como educadores.” No Relatório eles identificaram pelo menos 20 casos de morte devido a restrições.

Casos reais
Max Benson, de 13 anos, na Califórnia, morreu devido a uma contenção de bruços que foi aplicada nele por uma hora, por pontapear uma parede.

Eric Parsa, 16, morreu depois que policiais se sentaram em cima dele por 9 minutos depois que ele teve um meltdown num parque de estacionamento.

Angellika Arndt, de 7 anos, morreu num centro de tratamento diurno privado após ser mantida por horas numa contenção de bruços no chão por vários membros da equipa. A equipa supostamente não percebeu que ela havia parado de respirar, pensando que ela adormeceu, até que rolou o seu corpo e descobriu que ela tinha começado a ficar azul.

Corey Foster, 16, morreu depois que 8 funcionários da escola com necessidades especiais o contiveram porque ele não saiu do ginásio quando foi solicitado.

Faith Finley, 17, morreu depois que duas mulheres a seguraram de bruços no chão para controlar um meltdown.

Cornelius Fredericks, 16, que teve um ataque cardíaco quando pelo menos sete trabalhadores o contiveram

“Homem, 14 anos, com diagnóstico de estresse pós-traumático: o professor de 100 kgs colocou a criança de 58 kgs de barriga para baixo no chão e deitou-se em cima dele porque ele não ficou sentado na sala de aula, causando sua morte. A morte foi decidida um homicídio, mas o júri decidiu não acusar professor. O professor atualmente leciona na Virgínia. ” GAO 2009

“Mulher, 4 anos, nascida com paralisia cerebral e diagnosticada como autista: criança sofreu hematomas e transtorno de estresse pós-traumático depois que os professores a contiveram numa cadeira de madeira com tiras de couro descritas como parecidas com uma cadeira elétrica em miniatura, por ser“ não cooperativa ”.”

“Cinco vítimas, sexo não divulgado, com idades entre 6 e 7: auxiliar de professor voluntário, em liberdade condicional por roubo e porte de cocaína, crianças amordaçadas e com fita adesiva por mau comportamento. Não há registros de que a escola tenha verificado ou pesquisado antecedentes”

“Homem, 9 anos, com deficiência de aprendizagem: os pais permitiam que a escola usasse a sala de reclusão apenas como último recurso, mas a escola colocava a criança na sala repetidamente por horas por vez por ofensas como assobio, desleixo e aceno de mão. Mãe relatou que o quarto cheirava a urina e as mãos de criança ficaram com bolhas ao tentar escapar. “

“De acordo com o pai de um menino autista de 8 anos, seu filho sofria de arranhões, hematomas e um nariz quebrado após ser colocado em um restrição por parte de seu professor e assessor de escola pública. “

O nosso problema agora com o filme de Sia não é apenas excluir nos das nossas próprias histórias, mas na verdade apoiar o uso da força para subjugar pessoas com deficiência, e passar uma técnica perigosa e mortal como humana e “útil”. A sua tentativa ativa de nos desumanizar e nos usar na sua própria narrativa é preocupante e profundamente re-traumatizante para muitas pessoas autistas. A última coisa de que precisamos é de pessoas a verem o filme e pensarem que é assim que devem lidar com um meltdown.

As vidas de pessoas com deficiência foram historicamente ignoradas e marcadas como como “menos”, e ainda continuamos a ver isso, já que a maioria dos professores não é indiciado por homicídio, e uma técnica potencialmente mortal ainda está a ser usada porque o conforto e a sensação de controle dos outros são mais importantes do que vidas autistas em si.

Por favor, NÃO veja o filme nem lhe dê dinheiro. Boicote o filme. Não apenas pela nossa inclusão, mas por Eric, por Max, por Corey, por Faith e muitos outros. E, por favor, defenda a proibição do uso de restrições de brucos e NUNCA tente usá-las em alguém.

One reply on “Prone restraints and their use in Sia’s movie Music”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s