Categories
Autism Equality

Disability Poverty

In 2017, 31% of disabled people in the UK lived in poverty – around 4 million people, while non-disabled was 20%. There are several issues that might impact that number:

  • equipment and healthcare cost: higher costs of living, specially in equipement like hearing aids, wheelchairs, mobility aids, etc.
  • education exclusion: 9% of disabled adults have a degree or above, compared with 35% of non-disabled adults
  • ableism: 1 in 3 people see disabled people as being less productive than non-disabled people
  • insecure employment: disabled people tend to earn less than their non-disabled counterparts even if they have the same qualification levels
  • unemployment: disabled people are more than twice as likely to be unemployed as non-disabled people.
  • Life costs you £583 more on average a month if you’re disabled.

Nearly half of everyone in poverty is either a disabled person or lives with a disabled person.

While I lived in Portugal, I had to went through my life without a hearing aid, even having half of my hearing. This was because a hearing aid costs at least 2.5 times the minimum wage in Portugal (the one I currently have was 4.5 times). Once I moved to Austria, I received it for free within the healthcare system. This is because we shouldn’t have to pretend to not have a disability and “overcome it” to have access to education and emploument. Equipment like wheelchairs, hearing aids, etc, should be easier to pay for disabled people, who already have a higher rate of poverty, since it is indispensable.

People with disabilities were also more than half of the deaths by COVID-19, so they were some of the most impacted groups, having to isolate since the beginning for some disabilities who are more at risk. We need a disabled revolution. We need to be included, and we need to take disabled people out of poverty, with jobs, education and inclusion support.

Data from Disability Rights UK and Scope UK


Pobreza na deficiência

A taxa média de risco de pobreza ou exclusão social das pessoas com deficiência em Portugal era de 32,6% (Pinto & Pinto, 2018), e 19.1% em pessoas sem deficiência. Existem várias questoes que podem afetar este número:

  • Custo de vida: maior custo de vida, principalmente em equipamentos como aparelhos auditivos, cadeiras de rodas, auxiliares de mobilidade, etc. A vida custa £583 a mais em média por mês para quem tem deficiência no Reino Unido.
  • Exclusão educacional: em Portugal, a taxa de abandono escolar precoce nos alunos com deficiência (18–24 anos) era de 21,9% contra 12,4% nos alunos sem deficiência
  • Capacitismo: em Portugal 61% dos inquiridos acreditam que, ter uma deficiência pode desfavorecer os candidatos no acesso ao emprego mesmo que tenham competências ou qualificações equivalentes
  • Emprego precário: apenas 0,55% do total de recursos humanos das empresas do setor privado (com mais de 10 trabalhadores) eram pessoas com deficiência, e apenas 2,66% nas administrações públicas. (18% de Portugal tem algum tipo de deficiência )
  • Desemprego: Em 2018 a taxa de desemprego nas pessoas com deficiência em Portugal situava-se nos 18,6%, mais do dobro que e media nacional

No Reino Unido, quase metade de todas as pessoas que vivem na pobreza é uma pessoa com deficiência ou vive com uma pessoa com deficiência.

Enquanto morei em Portugal, não tive acesso a aparelho auditivo, mesmo tendo apenas metade da minha audição. Isto porque um aparelho auditivo custa pelo menos 2,5 vezes o salário mínimo em Portugal (o que tenho atualmente é 4,5 vezes). Assim que me mudei para a Áustria, recebi gratuitamente no sistema de saúde. Não deviamos ter que fingir que não temos uma deficiência e “superá-la” para ter acesso à educação e ao emprego. Equipamentos como cadeiras de rodas, aparelhos auditivos, etc, deveriam ser mais fáceis de pagar para pessoas com deficiência, que já apresentam maior índice de pobreza, uma vez que são indispensáveis.

Pessoas com deficiência também representaram mais da metade das mortes por COVID-19, portanto foram um dos grupos mais afetados, tendo que se isolar desde o início para algumas deficiências que estão em maior risco. Em Portugal, registou-se um aumento do desemprego em pessoas com deficiencia de 10% no inicio de 2020.

Precisamos de uma revolução da deficiência. Precisamos ser incluídos e tirar as pessoas com deficiência da pobreza, com empregos, educação e apoio à inclusão.

Dados de Disability Rights UK, Scope UK e Observatorio da Deficiencia e Direitos Humanos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s