Categories
Autism

Again, the use of “Autistic” as an insult – Jornal de Negocios

This week, Camilo Lourenco, in Jornal de Negocios (Portugal), said the following:

“The first happened when she asked:” But does anyone think that other countries are not facing exactly the same problems? ” Only an autistic person of the worst (and I apologize to the true autistic people) is able to say such stupidity considering the cold reality of the numbers ”

I sent an email to Camilo Lourenço, who did not answer me, and to Jornal de Negócios, in which the Director replied:

“I understand the squeamishness and revolt that the use of the word autism can provoke, but, as the author mentions in the text, his intention is not to be insulting to those with this clinical condition, just to point out a behavior that is detached from reality, that the word also means. In any case, I understand your point of view and recognize that the use of the word is unfortunate. I am sorry for the inconvenience caused. “

To which I replied: “I understand the intention, and with all due respect, if they used a race or sexual orientation to insult or demonstrate something “inferior”, it would be accepted globally as prejudice. However, for some reason, when it’s about autistic people, is considered to be “has no intention of being insulting”and “it is an expression”. No, I am not an expression to be used when you want to talk about something that is inferior. I am a person, not an expression, and I am not inferior , nor “in other world.” In the last year I have been fighting tirelessly to eliminate the stigma of Autism in Portugal, and I cannot tell you how many times I had to explain that Autism is not a disease, and we are not, in any way, unaware of reality. In fact, our brain is hyperconnected to the world, and it is only misinformation that leads to this idea that only perpetuates stereotypes and myths about Autism, which directly influences our quality of life. I understand that “there is no intention to be prejudiced”. However, you were. “

Finally, they said: “This stigma is even enshrined in the dictionaries, but I give you the whole point.”

Well, I went to search the Portuguese dictionaries online for this type of description, and I only found it in ONE online dictionary in Brazil, that mentioned Autism as a condition where the person is “detached from reality”. Besides that one, Autistic = person with Autism. Even dicio.com.br has changed its definition of Autism in recent months. And so, this shows precisely that the concept of being autistic, is only related to a person with the condition. In ZERO dictionaries, I found “expression to identify a person detached from reality”. Much less did I find the definition “person who says stupidity”, as the business newspaper accepted in Camilo’s text. It may be that the dictionaries available for the Journal are out of date, but as Sherlock Holmes said:

“The simplest explanation for some phenomenon is more likely to be accurate than more complicated explanations.”

And in that spirit, he would say that it is not the lack of access to updated dictionaries, nor of Google to research Autism, but only ableism and prejudice.


Novamente, o uso de “autista” como um insulto – Jornal de Negócios

Esta semana, Camilo Lourenco, no Jornal de Negocios, disse o seguinte:

“O primeiro sucedeu quando perguntou: “Mas alguém acha que os outros países não enfrentam exatamente os mesmos problemas?” Só um autista do pior (e peço desculpa aos verdadeiros autistas) é capaz de dizer uma estupidez destas tendo em conta a realidade fria dos números”

Eu enviei um e-mail a Camilo Lourenço, que não me respondeu, e ao Jornal de Negócios, em que o Diretor, respondeu:

“Compreendo o melindre e revolta que a utilização da palavra autista possa provocar, mas, como o autor refere no texto, o seu intuito não é ser insultuoso para com quem tem este estado clínico, apenas salientar um comportamento de alheamento da realidade, que a palavra também significa. De todo o modo compreendo o seu ponto de vista e reconheço que o uso da palavra é infeliz. Lamento o incómodo causado.”


Ao que eu respondi: “Eu compreendo a intenção, e com todo o respeito, se utilizassem uma raça ou uma orientação sexual para insultar ou demonstrar algo “inferior”, seria aceite globalmente como preconceituoso. No entanto, por alguma razão, quando são os autistas, é tido como “não tem intenção de ser insultuoso”, é uma expressão. Não, eu não sou uma expressão para ser utilizada quando querem falar de algo que é inferior. Eu sou uma pessoa, não uma expressão, e não sou inferior, nem “alheada”. Tenho no ultimo ano lutado incansavelmente para eliminar o estigma do Autismo em Portugal, e não lhe consigo dizer quantas vezes tive que explicar que Autismo não é doença, e não temos, de nenhuma forma, alheamento da realidade. De facto, o nosso cérebro esta hiperconectado ao mundo, e é apenas a desinformação que leva a esta ideia que apenas perpetua estereótipos e mitos sobre o Autismo, que influencia directamente a nossa qualidade de vida.Eu compreendo que não “haja intenção de ser preconceituoso”. No entanto, foram.”


Por fim, disseram: “Esse estigma está até consagrado nos dicionários, mas dou-lhe inteira razão. Se tratarmos o tema lembrar-me-ei da sua disponibilidade.”


Ora bem, eu fui pesquisar nos dicionários portugueses online por este tipo de descrições, e apenas o encontrei em UM dicionário online do Brasil.De resto, Autista = pessoa com Autismo. Ate o dicio.com.br alterou nos últimos meses a sua definição sobre Autista. E portanto, isto mostra precisamente que o conceito de ser autista, tem apenas relação com q pessoa com autismo. Em ZERO, encontrei “expressão para identificar pessoa alheada”. Muito menos encontrei a definição “pessoa que diz estupidezes”, como o jornal de negócios aceitou no texto de Camilo. Pode ser que os dicionários disponíveis para o Jornal de negócios estejam desatualizados, mas como dizia Sherlock Holmes:

“A explicação mais simples para algum fenômeno é mais provável de ser precisa do que explicações mais complicadas.”

E nesse espirito, diria que não e a falta de acesso a dicionários actualizados, nem de Google para pesquisar sobre Autismo, mas apenas capacitismo e preconceito.

Categories
Autism

Ableism

Ableism

Ableism is the discrimination and social prejudice against people with some disability, whether chronic or mental illness, Autism, hearing problems , wheelchair use, etc. Ableism assumes that people with disabilities are “inferior” to those without disabilities, directly or indirectly.

Types of Ableism

1. Infantilizing adults: Do not treat autistic or disabled adults like children. To assume that we have a low intellect is prejudiced and wrong. Adult is adult, even if they actually have an intelect impairement.

2. Lack of accessibility: To not promote accessibility for everyone. It may be due to lack of ramps, interpreters, etc.

3. “Inspiration”: People with disabilities do not exist to make the world feel “inspired”. The only reason we have to overcome difficulties is because they do not design society to count with us, When someone is successful against “all odds”, it is because the odds are against us. It also implies that disabled people can’t be succesful, which is not true.

4.Language: The most obvious. Using illnesses/ disorders /disabilities or just differences as an insult reinforces that these people are so “unwanted” that they can be used as an insult. Do not use “r**arded”, “seems bipolar” or “so autistic”. Have common sense and humanity.

5. Minimizing disability: Saying “you don’t look autistic” is not a compliment, and thinking it is, is offensive, as it implies that being autistic is “unwanted” and it is better not to be. We all have different difficulties and people with disabilities have to get used to a society not designed for them. Be respectful.

6. Doubting a disability: many disabilities are invisible and have no face. Mental, and chronic ilnesses, Autism, hearing problems, are invisible. Don’t doubt a disability just because you don’t see it.

7. Lack of representation: Lack of representation is quite common in all disabilities. Mental illnesses to be used in horror movies, autistic people are “quirky” and cold, or to speak only of the “pain” of disability, not being representative. In general, the disabled person is used as a “token”, a secondary character, just to show integration, but rarely as a protagonist or representative of the community. The media also rarely calls autistic people to talk about their experiences, only giving the space to healthcare professionals or mothers of autistic people.

8. Feeling pity: Our difficulties are usually related to the lack of space in society for people like us and the lack of tolerance for our differences, not about who we are. We are no less than you, we are different.

9. To assume lack of ability: Just because we have a disability does not mean that we have no skills. Just because we are non-verbal does not mean that we are not intelligent. Just because we are autistic does not mean that we are bad mothers. Just we have a wheelchair does not mean that we are not independent. Even certain laws sometimes assume a lack of capacity in certain areas just because of a disability.

It is important to recognize the types of ableism in ourselves and others, and to prevent it from happening, for a more inclusive and representative society.

After all, 20% of society has some kind of disability, and this minority is the only one that anyone can join at any time in their life.

Remember that they are not just disabilities, they are different abilities.


Capacitismo

Capacitismo é a discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma incapacidade (não gosto de dizer deficiência, que implica um déficit), seja doença crónica ou mental, Autismo, problemas auditivos, uso de cadeira de rodas,etc.

O capacitismo pressupõe que pessoas com incapacidades são “inferiores” a quem não tem incapacidades.

Tipos de Capacitismo

1. Infantilização de adultos: Não trate adultos autistas ou com incapacidades como crianças. Assumir que temos baixo intelecto é preconceituoso e errado. Adulto é adulto.

2. Falta de acessibilidade: Não promover a acessibilidade de todos. Pode ser por falta de rampas, de intérpretes, etc.

3. “Inspiração”: Pessoas com incapacidades não existem para fazer o mundo se sentir “inspirado”. A única razão para termos que ultraassar dificuldades é por não desenharem a dociedade a contar connosco, Quando alguém é bem-sucedido contra “todas as probabilidades”, é porque as probabilidades estão contra nós.

4.Linguagem: O mais óbvio. Usar doenças/transtornos/incapacidades ou apenas diferenças como insulto reinforça que essas pessoas são tão “indesejadas” que podem ser usadas como insulto. Não use “r*tardado”, “parece bipolar” ou “que autista”. Tenha bom senso e humanidade.

5. Minimização da incapacidade: Dizer “não parece autista” não é um elogio, e pensar que é, já é ofensivo, pois implica que ser autista é algo “indesejado” e é melhor não se ser. Todos temos dificuldades diferentes e pessoas com incapacidades têm que se habituar a uma sociedade não desenhada para eles. Respeite.

6. Assumir que não têm incapacidade: muitas incapacidades são invisíveis e não têm cara. Doenças mentais, e crónicas, Autismo, problemas auditivos, são invisíveis. Não duvide de uma incapacidade só porque não a vê.

7. Falta de representação: A falta de representação é bastante comum em todas as incapacidades. Doenças mentais a serem usadas para filmes de terror, autistas são “quirky” e frios, ou falam apenas na “dor” da incapacidade, não sendo representativo. Em geral, o incapacitado é usado como “token”, uma personagem secundária, só para mostrar integração, mas raramente como protagonista ou representativo. A imprensatambém raramente chama pessoas autistas para falar sobre suas experiências, dando apenas espaço a profissionais de saúde ou mães de pessoas autistas.

8. Sentir pena: As nossas dificuldades normalmente estão relacionadas com a falta de espaço na sociedade para pessoas como nós e falta de tolerância para as nossas diferenças, não com quem somos. Nós não somos menos, somos diferentes.

9. Assumir falta de capacidade: Só porque temos uma incapacidade, não significa que não temos habilidades. Só por sermos não verbais, não significa que não somos inteligentes. Só por sermos autistas, não significa que somos más mães. Só por termos uma cadeira de rodas, não significa que não somos independentes. Até certas leis por vezes assumem falta de capacidade em certas áreas apenas por uma incapacidade.

É importante reconhecermos os tipos de capacitismo em nós e nos outros, e evitar que aconteça, para uma sociedade mais inclusiva e representativa.

Afinal, 20% da sociedade tem algum tipo de incapacidade, e esta minoria é a única que qualquer pessoa se pode juntar a qualquer momento da sua vida.

Lembre-se que não são apenas incapacidades, são diferentes capacidades.