Categories
Conversations Women's Rights

Mother’s Day

Today is Mother’s Day (except in the UK).

I grew up with my mother always saying she was not a feminist, maybe because still today there is an agressive connotation to the word to some. However, today I realize she was the strongest feminist model that I ever had.

More than 30 years ago, my mother moved country for University to study Engineering. In a full class, 3 were women. In one of the classes, one Professor told them that “their place is in the kitchen.”, but she persisted. She was married and had me before finishing the course. Still, she finished it.

She balanced studies, an autistic child and a full-time job. Eventually, she got divorced. She raised me alone. There was no help from the healthcare system either, since 30 years ago there was no understanding of Aspergers in women. She did an incredible job just by following her mother’s intuition. She made decisions that only now the healthcare system is realizing are good for the development of an autistic child. Still, she succeeded. Today, she has her own company.

She always fought for her place in her career and the world, as well as my education and well-being.

I wonder what could be more feminist than that. Feminism is not the aggressive persuit of nonsense. Feminism is to continuously fight for us to have our space in the world, and that our children will have the rights and comforts we do not have. The ability to study what we want, to receive support, to be free. Most women were feminists their whole life, just by doing something which was not excepted for women, like studying in a field dominated by men, or having their own company. Feminism is to take opportunities in a world that constantly denies them to us.

To all the incredible mothers and sisters that fought for us, you are the reason we are feminists too. Thank you for always fighting for us. We will continue that.

To my mother.. You are my inspiration. I love you.

Happy Mother’s Day.

Eu cresci com a minha mãe sempre a dizer que não era feminista, talvez por ainda hoje a palavra Feminista ter uma conotação agressiva para alguns. No entanto, hoje percebo que ela e o modelo feminista mais forte que eu já tive.

Há 30 anos atrás, a minha mãe mudou de país para ir para a universidade estudar Engenharia. Numa aula cheia, três eram mulheres. Em uma das aulas, um Professor disse que “O lugar delas é na cozinha.”. Mas ela persistiu. Ela casou e eu nasci antes de terminar o curso. Ainda assim, ela terminou.

Ela equilibrou os estudos, uma criança autista e um trabalho em tempo integral. Eventualmente, ela divorciou-se. Ela criou-me sozinha. Não houve ajuda do sistema de saúde, pois há 30 anos não havia a compreensão de Aspergers em mulheres. Ela fez um trabalho estupendo só seguindo a sua intuição de mãe. Ela tomou decisões que só agora o sistema de saúde sabe serem acertadas no apoio ao desenvolvimento de uma criança autista. Hoje, ela tem a sua própria empresa.

Ela sempre lutou para ter o seu lugar na carreira e no Mundo, assim como pela minha educação e bem-estar.

Eu pergunto-me o que poderia ser mais feminista do que isso. O feminismo não é a busca agressiva do absurdo, como por vezes é apontado. O feminismo é a luta constante de nós, mulheres, para garantir que temos nosso espaço no mundo e que nossos filhos terão os direitos e confortos que nos ainda não temos. A capacidade de estudar o que queremos, de receber apoio, de ser livre. A maioria das mulheres foi feminista a vida toda, apenas fazendo algo que não era expectável de uma mulher, como estudar num campo dominado por homens ou ter sua própria empresa. Feminismo é conquistar oportunidades num mundo que continua a negá-las para nós.

A todas as mães e irmãs incríveis que lutaram por nós, é por vocês que somos feministas. Obrigado por sempre lutarem por nós. Iremos continuar o vosso trabalho.

Para a minha mãe.. És a minha inspiração. Amo-te.

Feliz Dia da Mãe.