Categories
Autism

The Origin of Masking

A couple of weeks ago I had someone coming to me saying “I can’t believe autistic people mask their traits, that is impossible. And if you do, it is your choice” Some don’t, yes. Others do.

What I don’t think people understand is.. it is part a choice, part an obligation. Yes, we can avoid masking and be our true unapologetic autistic self, but if we want to survive? Nope.

So I thought about writing on my experiences of WHY I mask. This is quite personal and long, so for every person will be different. And don’t think I am saying this is traumatizing. I know there are worse thing (and obviously I am not adding here everything). I just want to give examples of small things that we do, and why we do it.

Stimming

My main stim is rubbing my ears. I always do it, and apparently is kind of in the family (neurotypicals also stim, specially as a child). For me it was the intensity of it. I just couldn’t stop. I had several comments about this. This is why, and how I started masking my stimming.

“Stop touching your ears. You will look like Dumbo”: Ok.. this was the most terrifying of them all. I am a literal person, so thinking my ears will become like the elephant Dumbo from Disney, when I was around 8 years old, it scared the sh*t out of me. I stopped for a while, but I would feel awful and had to restart, always thinking I might have to go to surgery for my ears when I grew up.

“Are you talking on your phone? What are you doing?” This was a common one once I grew up that I learned that I could say “I just had an itch” and people mainly dropped it.

This made me stopped stimming in public. Every time I go out, I stim by rubbing my hands together. Even if I am in Zoom meeting or any place where someone I don’t trust can see me. Now I am a cricket instead of Dumbo, but people accept it more.

Social interactions

I was always very oblivious to how other girls tried to torture me into social chambers of pain, and when I realized, it cut deep. I always had several moments, where a friend would stop speaking to me, and I had absolutely no idea why. I would just had to shrug and carry on, terrified that would happen again.

In high school, it was hellish. So here is a couple of situations that made me learn of masking.

When I was around 16 I had to put braces. They had rubbers on the sides and sometimes on the front (yeah… seriously cool). The first day I put it on, I was ok with it. I never really cared about appearance and a lot of girls use it as a fashionable thing. I stepped out of consultation and passed by the mall to go home. There, there were 4 girls of my class. They never really talked to me before. They called me and they complimented my braces, and said “we want to take a picture with you”. I was so happy. I was part of a group. Until I realize I wasn’t. They never really talked to me after that. They just wanted to take a picture of me with the braces to mock. I used them for 2 years, there is not ONE single picture of me with them. I assumed it was a reason to mock me.

When I was growing up, I had several adults blaming me for “hiding something” or that I was being rude. I didn’t understood what exactly they assumed I was hiding until I realized it was because I didn’t looked them in the eyes. After that, I start looking into the spot between the eyebrows, and they dropped it. I never though, and will never, be able to look in the eyes for a long period of time. It is not a learning thing, it is just really disturbing. If I have to do it, I will not be able to hear what people say.

Once I went to University, I started dating someone that I dated for 8 years. I started hanging out in a group that knew me and him, and I still am to the day. I use to go to the city he studied to go out in a week long party we all have in the end of the year. Yes.. week long, the autistic nightmare. I had some occasions, I got so overwhelmed with the music, people and dust around me I just crashed. I didn’t knew why. I would ask him to go home, mostly out of disorientation and not being able to process anything, specially not a ride to his home alone. We had several arguments about this. He thought I just didn’t want him to party. I just got overloaded and had no idea (I didn’t knew I was autistic). There was one day, I ignored my overloading to a point that I got fever and fell sick. He still blamed me. (He was always an amazing guy, we were just kids). After that, I learned how to pretend I was not overwhelmed, until the point I would get to the house and cry in the toilet.

Other ways I mask:

  • Saying I am tired, when I am overloaded
  • Reading a book, when I go non-verbal
  • Pretending I have a lot of work so I can have lunch alone
  • Pretending I am writing something so I don’t have to look people in the eyes
  • Having a script of small talk
  • Overthinking conversations and analysing them to know what to say

There are a lot more examples, a lot, but if I continue this just becomes a book. I just wanted to give a couple so people understand that yes, we choose to not stim in public, but because if we do, we get bullied. We choose to mask our social difficulties, but because if we don’t, we became alone.

In a way, everyone, including neurotypicals, mask. But while they mask personality, we have to mask neurological characteristics, and it’s just doesn’t work as well.

I was called manipulative and b*tchy for wanting some routine, or a little bit of control on where to go out, because if I hadn’t, I would get overloaded, so I started to just be overloaded and hide it. I was called weird for stimming, or being socially awkward, so I stimmed in a socially acceptable way. I was called a lot of things. For some black autistic people, there is also the safety issue. Many got arrested or shot, for looking “threatening” while stimming or having a meltdown. All of those, made me understand by society that the price I have to pay to be a part of it, is to mask who I truly am. I did paid that price. It was in a way a choice, but not really.

Even autistic people that called “low-functioning” might mask. Several of the biggest and most used therapies are designed to make an autistic person look more neurotypical. Those include, punishing children that don’t look them in the eyes, for example, or give them a treat if they do.

It is a choice in a way that we are made to choose if we want to be part of society, work, have friends and a partner, or if we want to be lonely and isolated. So, yes, it is a choice, but not really.

Masking is a process of continuously being said by society that you are not good enough, be someone else. You are too weird to be a part of us, but once you start masking, you are too normal to be autistic. So we became nothing. A void between what we are and what we should be.


A origem do Mascaramento

Algumas semanas atrás, alguém disse-me: “Não acredito que pessoas autistas mascaram os seus traços, isso é impossível. E se fizer isso, é a sua escolha.”

O que eu não acho que as pessoas entendam é: é parte uma escolha, parte uma obrigação. Sim, podemos evitar o mascaramento e ser o nosso verdadeiro eu autista sem remorso, mas e se quisermos sobreviver? Não.

Então, pensei em escrever sobre minhas experiências de PORQUE eu mascaro. Isto é muito pessoal e longo, e para cada pessoa será diferente. E não pense que estou a dizer que isso é traumatizante. Só quero dar exemplos de pequenas coisas que fazemos e por que o fazemos.

Mascarar Estereotipias

A minha estereotipia ou stim principal é esfregar as orelhas. Sempre faço isso, e aparentemente é meio de família (os neurotípicos também fazem, principalmente quando criança). A diferenca é a intensidade. Eu simplesmente não conseguia parar. Eu tinha vários comentários sobre isso. E por isso comecei a mascarar o meu stimming.

“Para de tocar nas orelhas. Vais ficar parecida com o Dumbo”: Ok .. este foi o mais assustador de todos. Eu sou uma pessoa literal, então pensar que as minhas orelhas vão se tornar como o elefante Dumbo da Disney, quando eu tinha cerca de 8 anos, assustou-me imenso. Parei por um tempo, mas sentia-me péssima e tinha logo que reiniciar, sempre a pensar que talvez fosse tivesse que fazer uma cirurgia nas orelhas quando crescesse.

Recebi imensos comentarios sobre o meu stimming, incluindo de namorados. Isso fez-me parar de fazer stim em público. Cada vez que saio, o meu stim vira esfregar as mãos. Mesmo se eu estiver numa reunião do Zoom ou em qualquer lugar onde alguém me possa ver. Agora sou um grile em vez do Dumbo, mas as pessoas aceitam mais.

Interações sociais

Eu sempre fui muito indiferente ao modo como outras meninas tentavam me torturar socialmente e, quando percebia, magoava. Sempre tive vários momentos, em que uma amiga parava de falar comigo, e eu não tinha absolutamente nenhuma ideia do porquê. Eu apenas encolhia os ombros e continuava, com medo de que isso acontecesse novamente.

Quando eu tinha cerca de 16 anos, tive que colocar aparelho nos dentes. No primeiro dia em que o coloquei, estava tudo bem. Nunca me importei muito com a aparência e muitas meninas usavam isso como moda. Saí da consulta e passei pelo centro comercial para ir para casa. Lá, encontrei 4 meninas da minha classe. Elas nunca falaram comigo antes, mas chamaram-me e elogiaram o meu aparelho, e disseram “queremos tirar uma foto”. Eu estava tão feliz. Afinal elas gostavam de mim. Até eu perceber que não. Elas nunca mais falaram comigo depois disso. Só queriam tirar uma foto minha com o aparelho para ridicularizar. Eu usei o aparelho por 2 anos, não há uma única foto minha com isso. Achei que fosse um motivo para me ridicularizar.

Quando era crianca, vários adultos culpavam-me por “esconder algo” ou por ser rude. Eu não entendia exatamente o que eles presumiam que eu estava a esconder até que percebi que era porque não os olhava nos olhos. Depois disso, comecei a olhar para o ponto entre as sobrancelhas e deixaram de dizer. Eu nunca consegui, e nunca serei capaz de olhar nos olhos por um longo período de tempo. Não é uma coisa para aprender, é realmente perturbador. Se eu tiver que fazer isso, não consigo ouvir o que as pessoas dizem.

Depois que fui para a universidade, comecei a namorar e a frequentar um grupo que me conhecia a mim e a ele. Eu costumava ir à cidade que ele estudava para sair para uma festa de uma semana que nós fazemos no final do ano., a festa academica. Sim .. uma semana inteira, o pesadelo autista. Eu tive algumas ocasiões em que fiquei tão sobrecarregada com a música, as pessoas e o pó ao meu redor que simplesmente colapsava. Eu não sabia porquê. Eu pedia-lhe para ir para casa, principalmente por desorientação e não ser capaz de processar nada, especialmente uma viagem para sua casa sozinha. Tivemos várias discussões sobre isso. Ele pensava que eu simplesmente não queria que ele se divertisse, mas na verdade ficava sobrecarregada e não fazia ideia (não sabia que era autista). (Ele sempre foi incrível, éramos apenas crianças). Depois disso, aprendi a fingir que não estava sobrecarregada, até o ponto de chegar em casa e chorar escondida. Um dia, ignorei ao ponto de ficar com febre e ficar doente.

Outras formas que eu mascaro:

  • Dizer que estou cansada, quando estou sobrecarregada
  • Ler um livro, quando fico não-verbal
  • Fingir que tenho muito trabalho para poder almoçar sozinha
  • Fingir que estou a escrever algo para não ter que olhar as pessoas nos olhos durante uma reuniao
  • Ter um roteiro de conversa fiada
  • Pensar demasiado nas conversas que tive e as analisar para saber o que dizer da proxima vez

Existem muitos mais exemplos, muitos, mas se eu continuar, isto torna-se num livro. Eu só queria dar alguns exemplos para que as pessoas entendessem que sim, nós escolhemos não fazer stim em público, mas porque se o fizermos, seremos alvo de bullying. Optamos por mascarar as nossas dificuldades sociais, mas porque, se não o fizermos, ficamos sozinhos. Muitas vezes nem sabemos que somos autistas, e por isso pensamos que somos esquisitos e temos que “melhorar” e copiar os outros.

De certa forma, todos, inclusive neurotípicos, mascaram. Mas, embora mascarem a personalidade, temos que mascarar as características neurológicas, e isso simplesmente não funciona tão bem.

Fui chamada de manipuladora e controladora por querer alguma rotina, ou um pouco de controle sobre para onde sair, porque se não o fizesse, ficaria sobrecarregada, então comecei apenas a ficar sobrecarregadr e a esconder isso. Fui chamada de esquisita por ser socialmente desajeitada, então tentava copiar o que era aceite. Eu fui chamado de muitas coisas. Para algumas pessoas autistas negras, também existe o problema de segurança. Muitos foram presos ou mortos, por parecerem “ameaçadores” durante o stimming ou ao ter um meltdown. Tudo isso, fez-me entender pela sociedade que o preço que tenho que pagar para fazer parte dela é mascarar quem eu realmente sou. Eu paguei esse preço. De certa forma, foi uma escolha, mas na realidade não.

Mesmo autistas de “baixo funcionamento” podem mascarar. Várias das terapias maiores e mais usadas são projetadas para fazer uma pessoa autista parecer mais neurotípica. Isso inclui punir crianças que não os olham nos olhos, por exemplo, ou dar-lhes algo se o fizerem.

É uma escolha de uma forma que somos levados a escolher se queremos fazer parte da sociedade, trabalhar, ter amigos e um parceiro, ou se queremos ser solitários e isolados. Então, sim, é uma escolha, mas não realmente.

Mascarar é um processo em que a sociedade continuamente diz que não somos bons o suficiente, e portanto temos que ser outra pessoa. Somos muito estranhos para fazer parte, mas quando começamos a mascarar, dizem-nos que somos normais demais para ser autista. Então acabei por me tornar em nada. Um vazio entre o que sou e o que deveria ser, até descobrir que sou autista.

Agora estou a tentar ser eu, sem remorsos.

Categories
Autism

The importance of Unmasking for Inclusion

To really achieve full inclusion of autistic people in society, we have to stop forcing autistic people to mask who they are to be accepted.

Masking or camouflage is the masking of our autistic traits or our difficulties, to fit into society. For example, when we look at the middle of the eyebrows, to simulate eye contact. In my opinion, it is necessary to create therapies or support for unmasking or to decrease the level of masking in adult autistic people. Why?

Although masking is a very effective way to hide autism, in the long run it starts to be associated as one of the biggest causes of deregulation, burnouts, mental illness and suicide attempts in adult autistic people. A 2017 British research showed that exhaustion is universal in adult autistic people who say they feel totally drained – mentally, physically and emotionally.

The few studies on this subject show that masking is proportionally linked to an increase in mental illnesses like depression and anxiety, as well as an increased likelihood of suicide attempts. The effort to avoid being who we are, and to become someone else to be accepted, erases our creativity, rationality, logic, art, but above all, it erases who we are. The cost of masking, seems to be our life. However, we are still being pushed to it.

For example, avoiding repetitive movements or stereotypes is “harmful to our health” because stimming helps us to regulate our emotions, sensory stimuli and ability to focus.

Excessive camouflage, done for years on end, can also cause us to lose sight of our true identity. Identity is essential to human beings, and without the acceptance of our identity, whether by us or by others, we can never reach true inclusion.

We need to gradually develop therapies and support to unmask all these autistic adults who are being lead to exhaustion just so that neurotypicals feel comfortable and accept us. I am currently trying, and I confess that it is a challenge. However, it is worth it. At least, so I can find myself for the first time in my life.


Para realmente conseguirmos inclusão total dos autistas na sociedade, temos que parar de obrigar os autistas a mascarar quem são para serem aceites.

O Masking ou camuflagem é o mascarar dos nossos traços autistas, para nos integrarmos. Por exemplo, olharmos para o meio das sobrancelhas, para simular contacto visual. Na minha opinião, é necessário criar terapias ou acompanhamento para unmasking ou para diminuir o nível de mascaramento nos autistas adultos. Porquê?

Porque embora o mascaramento seja uma forma bastante eficaz de esconder o autismo, a longo prazo começa a ser associado como umas das maiores causas de desregulação, burnouts, doenças mentais e tentativas de suicídio nos autistas adultos.

Uma pesquisa britânica de 2017 mostrou que exaustão é universal nos autistas adultos que se dizem sentirem totalmente esgotados – mentalmente, fisicamente e emocionalmente.

Os poucos estudos sobre este assunto mostra que o mascaramento está proporcionalmente ligado ao aumento de doenças mentais como depressão e ansiedade, assim como um aumento da probabilidade de suicídio. O esforço de evitarmos ser quem somos, e de nos tornarmos noutra pessoa para sermos aceite, apaga a nossa criatividade, racionalidade, lógica, arte, mas acima de tudo, a nossa identidade. O custo do mascaramento, parece ser quem somos, mas continuamos a ser pressionados a o fazer.

O mascarar do stimming, ao evitarmos os movimentos repetitivos ou esterotipias é prejudicial à nossa saúde, porque é essencial para a nossa auto-regulação emocional e sensorial.

A camuflagem excessiva, feita por anos sem fim, também pode causar que percamos de vista a nossa verdadeira identidade. A identidade é essencial ao ser humano, e sem a aceitação da nossa identidade, seja por nós, ou pelos outros, nunca poderemos chegar à verdadeira inclusão.

Precisamos desenvolver gradualmente terapias e apoio para desmascarar todos esses adultos autistas que estão a ser levados à exaustão apenas para que neurotípicos se sintam confortáveis ​​e nos aceitem. Atualmente estou a tentar, e confesso que é um desafio. Porém, vale a pena. Pelo menos, para que eu me possa conhecer pela primeira vez na vida. 

Categories
Autism

The Masked Autistic Quiz – Are you undiagnosed?

This questionnaire was not written by a doctor, but by an autistic person. Personally, I said yes to every single question, and though it was incredibly well done, so I would like to share it with you. This was added in Twitter by Steve Asbell, and shared by Unashamed Voices of Autism in Facebook.

“If you’ve spent your life ‘faking normal’, you might not look autistic to the casual observer.

  1. Have you ever felt as if you were missing the built in instruction manual that everyone else seemed to possess? Did you spend an inordinate amount of time learning to copy the behaviour of other kids so that they wouldn’t realize you were different?
  2. Are you able to make eye contact, but would much rather NOT make eye contact? Have you taught yourself to cheat by looking between the eyes or at the eyebrow? Does eye contact make it harder to think clearly?
  3. When  you’re alone do you make random noises or repeat interesting words to yourself? Do you move your hands or feet because staying still feels wrong? Bonus point if you do this around other people
  4. Do people refer to you as a space cadet or a day dreamer, even though those terms make no sense to you? Do you appreciate unusual things like constellations in the popcorn ceiling, tricks of light, numbers and textures?
  5. Do your  anxiety levels spike when there is a change of plans or when somebody calls, rings, a doorbell or emails/texts you? Do people perceive you as rude and antisocial for being unappreciative of their surprise attacks?
  6. Do you have a hard time understanding why people feel the way they do without a personal point of reference? Are you able to relate much more once you’ve tied their experience to something that’s happened to you?
  7. Do you have organizational strategies or list making that bring you a sense of calm and order when you’re allowed to see it though to completion?
  8. Do you have social anxiety but only because you have a hefty track record of rejection due to missed social cues, difficulty navigating conversations and an inability to understand what other people are thinking?
  9. Do you avoid places because of the overwhelming noise, visual clutter, bright lights or overwhelming smells? Do you avoid busy stores and do your shipping when things aren’t as busy?
  10. Do you have a built-in BS detector and despise playing along with things that infantilize you? Have people said you’re not a team player for complaining about pointless gift exchanges or parties? Do you need to understand the purpose of a task?
  11. When you get happy and excited, do people say you’re too much or tell you to calm down? Are you unusually animated when genuinely excited, yet find it hard to fake this enthusiasm on demand for others?
  12. Do you feel so closely connected to your hobbies that you can blissfully engage in them for hours and have a hard time stopping for anything else? Does losing interest in them make you feel as if you’ve lost a part of yourself?
  13. Is driving a stressful and exhausting experience for you?  Do you tend to take the same familiar route every time and even go so far as to avoid stressful intersections and fast highways? Do you struggle making quick decisions behind the steering wheel?
  14. Do you feel as if you relate to animals more than other people? As a child, did you secretly suspect that you were from another planet or species than that of your classmates? When meeting someone similar to yourself, do you feel like you’re home, so to speak?
  15. Do you abhor the idea of making conversation with people who share nothing in common with you? Would you happily go out of your comfort zone to talk with others about a shared hobby or passion?
  16. Do people assume you’re angry at them when you’re not? Do you smile or laugh inappropriately, upsetting others? Have people told you that you have a ‘resting bitch face’?
  17. Do you have an unusually monotonous or singsong voice? Do you have a hard time modulating your volume and speak with inappropriate volume for the situation.
  18. Have you purposely chosen interests that fly under the radar as ‘normal’, yet you still prefer to enjoy peripheral aspects of that interest, such as studying the stats of baseball players or making elaborate backstories for your barbie dolls?
  19. Do you find it inordinately difficult to listen to someone when other people are talking? Do you have a hard time carrying on a conversation in a loud or crowded place?
  20. Do emotions and sensory overload build up into a thunderstorm of rage that you have no choice but to ride out until it passes? Being anger or crying? This might be a meltdown. Alternately, does the build-up result in you retreating from the world and ‘zoning out’? This could be a shutdown.
  21. While not officially criteria this is someone that many autistics will relate to: Do gender, romantic and sexuality norms seem arbitrary and fake? Even if you do not identify as LGBTQ+ do you hesitate when referring to yourself as cisgender or heterosexual?
  22. Have you developed coping mechanisms such as lists, schedules, stacks of paper, alarms and reminders to help you function as adult? Would you still be able to get by without them?
  23. Do you go through periods where you can’t even remember how to make dinner or get ready for work, and even the easiest of tasks seem insurmountable because you can’t fathom completing the steps to completion?

Attention, this questionnaire can’t be used as diagnose. It is use to share deeply personally experiences by autistic people, and to show how we feel and you might feel too, if you are autistic. Every autistic person is different, and their difficulties are different too. I only share it because as an autistic women I said yes to every single one of them, and I think the questions are very well put. What do you think? Did you see yourself in them?


O Questionário do Autista Mascarado

Este questionário não foi escrito por um médico, mas por uma pessoa autista. Pessoalmente, eu disse sim para todas as perguntas e, embora tenha sido incrivelmente bem feito, gostaria de compartilhar com você. Isso foi adicionado no Twitter por Steve Asbell e compartilhado por Unashamed Voices of Autism no Facebook.

“Se você passou sua vida‘ fingindo ser normal ’, pode não parecer autista para um observador casual.

  1. Já sentiu como se estivesse sentindo falta do manual de instruções embutido que todo mundo parecia possuir? Gastou muito tempo a aprender a copiar o comportamento de outras crianças para que elas não percebessem que você era diferente?
  2. Consegue fazer contato visual, mas prefere NÃO o fazer? Aprendeu a trapacear ao olhar entre os olhos ou a sobrancelha? O contato visual torna mais difícil pensar com clareza?
  3. Quando está sozinho, faz ruídos aleatórios ou repete palavras interessantes para si mesmo? Move as suas mãos ou pés porque ficar parado parece errado? Bônus se fizer isso perto de outras pessoas
  4. As pessoas se referem a si como um sonhador, mesmo que esse termo não lhe faça sentido? Aprecia coisas incomuns como constelações no teto, truques de luz, números e texturas?
  5. Os seus níveis de ansiedade aumentam quando há uma mudança de planos ou quando alguém lhe liga, tocam a campainha ou enviam e-mail/SMS? As pessoas o consideram rude e anti-social por não agradecer as suas visitas surpresa?
  6. Tem dificuldade em entender por que as pessoas se sentem sem um ponto de referência pessoal? Consegue se relacionar muito mais depois de vincular a experiência deles a algo que lhe aconteceu consigo?
  7. Utiliza estratégias organizacionais ou elaboração de listas, para organizar os seus dias? Esse comportamento também lhe traz uma sensação de calma e ordem quando tem permissão para o fazer até ao fim?
  8. Tem ansiedade social, mas apenas porque tem um histórico robusto de rejeição devido a deixas sociais perdidas, dificuldade de navegar nas conversas e incapacidade de entender o que as outras pessoas estão s pensar?
  9. Evita lugares por causa do ruído, da confusão visual, de luzes fortes ou dos cheiros fortes? Evita lojas lotadas e faz recados quando as coisas não estão tão ocupadas?
  10. Tem um detector de mentiras embutido e detesta brincar com coisas que o infantilizam? As pessoas dizem que não é um jogador de equipa por reclamar de trocas de presentes ou festas inúteis no trabalho? Precisa entender o propósito de uma tarefa?
  11. Quando fica feliz e animado, as pessoas dizem que você é ‘demasiado’ ou pedem para se acalmar? Você fica anormalmente animado quando está genuinamente entusiasmado, mas acha difícil fingir esse entusiasmo sob demanda para os outros?
  12. Sente-se tão ligado aos seus hobbies que pode se envolver com prazer neles por horas e se divertir com o tempo a parar para outras coisas? Perder o interesse por eles faz com que se sinta como se tivesse perdido uma parte de si mesmo?
  13. Dirigir é uma experiência estressante e exaustiva para si? Tende a seguir o mesmo caminho familiar todas os dias e até mesmo fazer um caminho maior para evitar cruzamentos estressantes e auto-estradas rápidas? Tem dificuldade para tomar decisões rápidas atrás do volante?
  14. Sente que se relaciona mais com os animais do que com as outras pessoas? Quando criança, suspeitava secretamente que era de outro planeta ou espécie diferente dos seus colegas de turma? Ao conhecer alguém semelhante a si, sente-se como se estivesse em casa, por assim dizer?
  15. Você abomina a ideia de conversar com pessoas que não têm nada em comum consigo? Ficaria feliz em sair de sua zona de conforto para falar com outras pessoas sobre um hobby ou paixão em comum?
  16. As pessoas presumem que está zangado com elas quando não está, ou vice-versa? Sorri ou ri de maneira inadequada, por vezes perturbando os outros?
  17. Tem uma voz incomumente monótona? Você tem dificuldade em modular o seu volume e falar com um volume adequado para a situação.
  18. Escolheu propositalmente interesses que passam despercebidos pelo radar como ‘normais’, mas ainda prefere aproveitar os aspectos periféricos desse interesse, como estudar as estatísticas de jogadores de beisebol ou fazer histórias elaboradas para suas bonecas barbie?
  19. Acha extremamente difícil ouvir alguém quando outras pessoas estão a falar ao mesmo tempo? Tem dificuldade em manter uma conversa num lugar barulhento ou lotado?
  20. As emoções e a sobrecarga sensorial se transformam em uma tempestade de raiva que você não tem escolha a não ser aguentar até que passe? Seja gritar, bater ou chorar? Isso pode ser um meltdown. Alternativamente, o acúmulo resulta em se afastar do mundo e “zoneando”? Isso pode ser um shutdown.
  21. Embora não seja um critério oficial, este é algo com quem muitos autistas se relacionam: As normas de gênero, romântica e sexual parecem arbitrárias e falsas? Mesmo que não se identifique como LGBTQ+, você hesita em se referir a si mesmo como cisgênero ou heterossexual?
  22. Desenvolveu mecanismos de lidar, como listas, horários, pilhas de papel, alarmes e lembretes para o ajudar a funcionar como adulto? Conseguiria sobreviver sem eles?
  23. Passa por períodos em que não consegue nem se lembrar de como fazer o jantar ou se preparar para o trabalho, e até mesmo as tarefas mais fáceis parecem intransponíveis porque não consegue nem lembrar de como terminar as etapas?

Atenção, este questionário não pode ser utilizado como diagnóstico. É usado para compartilhar experiências pessoais profundas de autistas e para mostrar como nos sentimos e como também se pode sentir, se for autista. Cada pessoa autista é diferente e as suas dificuldades também são diferentes. Só compartilho isto porque, como mulher autista, disse sim a TODAS as perguntas, e acho que as foram muito bem colocadas.

O que você acha? Você se reviu nestas questões?

Categories
Autism

Masking in Autism

Masking or camouflage is when the autistic person observes and analyzes the behavior of others and imitates them, to hide difficulties in socialization.

It can be used by men and women, however, due to the dynamics and expectations of women in society, it is easier for them to mask and is one of the main diagnostic difficulties. However, camouflaging our features is tiring and can make it difficult to recognize versions of us that we built, and the real version, giving rise to a poorly defined “I”.

Our identity is important and the lack of it can affect the way we see ourselves and even cause mental problems. It is not a conscious choice, nor is it an attempt to be false or to manipulate.

It is a strategy to deal with the fact that we are different and for integration into society. We have to give space in society for autistic people to be who they are, without masking or having to apologize.


Mascaramento ou camuflagem, é quando o autista observa e analisa o comportamento dos outros e os imita, para esconder dificuldades de socialização.

Pode ser usado por homens e mulheres, no entanto, devido à dinâmica e expectativas da mulher na sociedade, é-lhes mais fácil mascarar e é uma das principais dificuldades de diagnóstico.

No entanto, camuflar os nossos traços é cansativo e pode fazer com que seja difícil reconhecermos versões de nós construídas, e a versão real, originando um “eu” pouco definido. A nossa identidade é importante e a falta dela pode afectar a forma como nos vemos e até causar problemas mentais.

Não é uma escolha consciente, nem uma tentativa de sermos falsos ou manipular. É uma estratégia para lidar com o facto de sermos diferentes e para a integração na sociedade.

Temos que dar espaço na sociedade para autistas serem quem são, sem mascaramento ou ter que pedir desculpa.

Categories
Autism Conversations

Actually Autistic Meme thread

#actuallyautistic Memes Day! (actuallyautistic is a community online to give visibility to autistic voices) Nothing tells us we can’t fight for acceptance AND have fun.

Brief explanation: Auditory processing disorder is a hearing disorder where we have trouble processing speech.

x

Brief explanation: in general Autistic people don’t want a “cure” to push on us. Autism is part of who we are. We want support and understanding. 


Dia para memes #ActuallyAutistic (comunidade para partilha de vozes autistas)

Nada nos diz que não podemos lutar por aceitação E divertirmos-nos.

Como talvez saiba o nosso Instagram é em inglês, mas para haver uma plataforma portuguesa de um Autista para Autista decidi criar o @autismoemportugues no Instagram. Irei lá colocar memes, informação e dados.

Breve explicação: Desordem de processamento auditivo é quando temos dificuldade em processar discurso, a fala
Em geral os autistas não querem uma cura a ser empurrada para eles, queremos aceitação e apoio. O Autismo faz parte de quem somos.